Fecham-se as cortinas

Dramático é pouco para descrever o desfecho da temporada 2008 do Mundial de Fórmula 1. A alternância das condições de pista nos proporcionou um espetáculo ímpar e um final que transformou a obviedade em surpresa. Falo isso porque, chegado no Brasil, o Mundial mostrava um talentoso piloto que guiava o carro mais confiável da temporada e carregava consigo uma vantagem confortável para o segundo colocado do campeonato. Mesmo estando visivelmente pressionado, Lewis tinha a faca, o queijo e o título nas mãos. Esse era o óbvio.

Contra ele, Felipe e sua Ferrari. Carro que, de tão bem projetado, chegou ao ponto de ter como fraqueza o fato de ser equilibrado demais e não desgastar os pneus de forma a aquecê-los propriamente. Felipe e sua equipe que, ao contrário da de seu concorrente, falhou por diversas vezes durante o ano. Falhas essas que custaram preciosos pontos ao brasileiro.

Nesse cenário e nessa São Paulo que conhecemos, a corrida já prometia. A possibilidade de chuva se concretizou antes da largada. A corrida seguia, sem emoções pontuais – Massa disparou na frente, fez o que lhe cabia, enquanto Hamilton fez um arroz com feijão requentado que lhe daria o título. Até aí nada demais.

Falando em Hamilton, me permito fazer um comentário. Fugir de suas características quase custa o título ao inglês. Sabidamente um piloto arrojado, agressivo, Hamilton deixa claro que não sabe correr por pontos apenas. Quase deixou o título – praticamente certo – escorregar entre seus dedos por duas vezes. Assim como quase rodou, por diversas vezes, na Curva do Sol.

Eis que nas últimas voltas a chuva vem. E Massa vê a realização do seu sonho em forma de gotas que caem do céu. Vettel, um piloto que merece um carro vencedor (mas não um carro muito bom, senão corremos o risco de novamente ver anos de domínio de um só piloto), põe Hamilton no bolso com uma facilidade incrível. Lewis era sexto, cenário que daria o título para Felipe. Surge então a surpresa branca e vermelha, com os pneus desgastados, à frente de Vettel e Hamilton na Junção.

O resto, bem, o resto nós sabemos. O resultado voltou ao óbvio.

De contestável, nesta temporada, não houve nada. A regularidade manda no atual formato de pontuação. A pontuação, sempre ela, na frieza dos números, é o que decide quem sai campeão. Feita esta consideração, nada mais normal que o piloto de uma equipe que foi extremamente regular na temporada sair campeão.

Parabéns ao Massa, um exemplo de superação. Que, passadas duas corridas no início do ano, aprendeu a jogar de acordo com as regras: ganhando quando podia, pontuando quando deveria. Parabéns ao Hamilton, que brigou contra o instinto e contra a pressão e se sagrou campeão.

A decepção foi grande. Acredito, contudo, que não tenha sido a pior do ano. Este título eu reservo para o que ocorreu na Hungria, quando Felipe quase destruiu aquele ditado que crava “corrida não se ganha na largada”.

Por fim, uma última consideração: foi um campeonato maravilhoso, principalmente pelo caráter extremamente humano dos postulantes ao título. Enquanto uns falam que o nível se ajustou por baixo, eu prefiro ver os erros como um indicativo de que o fator humano voltou a ter importância na Fórmula 1.

Anúncios

3 Responses to “Fecham-se as cortinas”


  1. 1 Craudio segunda-feira, 03/11/2008 às 17:11

    Chupa Massa! Hamilton é Corinthians!

  2. 2 Ron Groo segunda-feira, 03/11/2008 às 22:27

    Sim, sim… O fator humano voltou a ter peso e a temporada foi maravilhosa.
    Mas houve algo questionavel sim. A competência da equipe tecnica/esportiva da Ferrari comandada por um tal Domicalli,

  3. 3 Rodrigo segunda-feira, 03/11/2008 às 22:42

    A Ferrari ficou a desejar, fato. Mas me referia aos escândalos e coisas do tipo.

    Abs!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Quem acelera aqui

Rodrigo Lara é jornalista e tem 24 anos. Viciado em esportes, curte especialmente aqueles que reúnem gasolina, velocidade e carros.

@ Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

O passado está aqui

Categorias

Blog Stats

  • 12,837 hits

Posts por data

novembro 2008
S T Q Q S S D
« out   dez »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Quer comprar artigos importados?


%d blogueiros gostam disto: