Sobre o acidente de Felipe Massa

Existe uma pequena diferença entre infelicidade e fatalidade. Felizmente, o caso do acidente de Felipe nos treinos classificatórios para o GP da Hungria não resultou em uma tragédia – ao contrário do ocorrido com Henry Surtees, na F-2 – e, no final, isso é o que importa.

Por se tratar de uma infelicidade, não acredito que o ocorrido com o brasileiro resulte em mudanças drásticas na segurança da categoria. Atualmente, os carros de F-1 são seguros e prova disso é que há 15 anos não acontece nenhuma morte nas pistas. Basta lembrar que, em 2007, Robert Kubica sofreu um acidente de proporções catastróficas no Canadá e saiu inteiro.

Por sua vez, o que ocorreu com Massa mostra que não é possível controlar todas as situações. A própria circunstância do acidente – uma peça soltar-se do carro de Barrichello, quicar pela pista e atingir exatamente a única parte exposta do piloto que vem atrás – é atípica, improvável de acontecer.

E justamente essa improbabilidade que diferencia os acidentes de Massa e Surtees. O caso do piloto da F-2, atingido por um pneu errante pela pista, denota de uma falha de equipamento. Após Jack Clarke bater, o cabo de kevlar (material usado, por exemplo, em coletes à prova de bala) deveria prender a roda e evitar que ela soltasse, o que não acabou acontecendo e vitimou o jovem piloto britânico.

Sorte

Ao analisarmos a dinâmica do acidente de Massa, é possível concluir que o brasileiro teve uma dose cavalar de sorte. A começar pelo formato da peça, uma mola. Cilíndrica e sem possuir pontas, atingiu exatamente acima da viseira do capacete. Tivesse colidido alguns centímetros mais abaixo, possivelmente o destino de Massa seria outro, mesmo levando em conta que as viseiras dos capacetes Schuberth – marca usada pelo piloto – seja à prova de balas. Caso fosse pontiaguda, poderia ter causado danos mais graves e, talvez, fatais.

Outro fator determinante para a sobrevivência do brasileiro foi a resistência do seu equipamento. Como dito acima, além das viseiras à prova de balas, os capacetes da marca alemã são feitos de kevlar e fibra de carbono, contrução semelhante à das células de sobrevivência dos carros.

Por fim, Massa também teve sorte em não bater a toda velocidade. Após ser atingido pela mola, perdeu a consciência e seus pés apoiaram-se sobre ambos os pedais, fazendo o carro frear e acelerar ao mesmo tempo. Mesmo que a pressão no pedal de freio tenha sido insuficiente para parar o carro, ela ajudou a evitar que sua velocidade aumentasse. Bater a toda velocidade, segurando o volante, poderia ter causado traumas em suas mãos e pés.

Abaixo, coloco um vídeo com uma simulação do acidente em 3D, além de depoimentos de chefes de equipe e pilotos. Massa está internado no hospital militar de Budapeste. Está em coma induzido, procedimento utilizado para tratar lesões cerebrais – além do corte, Felipe teve uma pequena contusão no cérebro, resultando em um edema. Fisicamente, deverá ter uma recuperação plena. Psicologicamente, só o futuro dirá.

Anúncios

7 Responses to “Sobre o acidente de Felipe Massa”


  1. 1 EDUARDO ALMEIDA segunda-feira, 27/07/2009 às 01:55

    GRANDE FELIPE ESTAMOS REZANDO PARA QUE VC ESTEJA NAS PISTAS LOGO FORÇA BROTHER
    EDUARDO FERRÉ

  2. 2 Florzinha segunda-feira, 27/07/2009 às 12:55

    Felipe, foi triste o que aconteceu com você…
    Mas temos fé em Deus que tudo isso vai passar, tudo em nossa vida, até mesmo situações como a que aconteceu com vc so serve para fortalecer.
    Você é um gerreiro, e torço por você sempre.
    Abraços de conforto a sua família

  3. 3 Romeu segunda-feira, 27/07/2009 às 15:09

    Espero que a nota divulgada agora pouco: http://esporte.ig.com.br/grandepremio/formula1/2009/07/27/massa+nao+corre+risco+de+morte+mas+futuro+nas+pistas+e+posto+em+duvida+7516940.html , não seja verdade e que Felipe continue com a visão intacta.
    Se existir essa possibilidade e pararmos para analisar friamente, ano que vem podemos não ter brasileiros no grid da F-1. Massa fora por causa do acidente, Rubinho e Nelsinho demitidos. Espero que não.

  4. 4 Ron Groo terça-feira, 28/07/2009 às 16:14

    Perfeito… A dose cavalar de sorte que conseguimos enxergar no acidente do Massa foi o centimentro a menos ou o quilometro a mais de velocidade que faltou ao Surttes.

  5. 5 Pedro Mezgravis quinta-feira, 30/07/2009 às 11:17

    Força Felipe Massa!

    Os domingos de manhã voltaram a ser mais interessantes do que ver o Rubinho se arrastar nas pistas e falar besteiras depois!

    Agora tem a volta do Schumacher. Quero ver o que vai dar!
    Vai que o ómi toma gosto de novo! 😀

  6. 6 maria ap s tarullo sexta-feira, 31/07/2009 às 15:46

    Todos nos brasileiros estamos torcendo por você Felipe massa!!!
    Que Jesus ilumine sua caminhada todos os dias e te de força para possamos
    Ver você campeão e vibrando junto com esta nação grandiosa chamada Brasil

  7. 7 Carol quarta-feira, 09/09/2009 às 15:30

    Tá bombando o blog hein, Rô? Parabéns!
    Ps. O namorado adora correr de kart =)


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Quem acelera aqui

Rodrigo Lara é jornalista e tem 24 anos. Viciado em esportes, curte especialmente aqueles que reúnem gasolina, velocidade e carros.

@ Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

O passado está aqui

Categorias

Blog Stats

  • 12,811 hits

Posts por data

julho 2009
S T Q Q S S D
« jun   set »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Quer comprar artigos importados?


%d blogueiros gostam disto: